Vitória Diogo considera que um livro não tem uma era própria de validade para um trabalhador

A Ministra do Trabalho, Emprego e Segurança Social, Vitória Dias Diogo, disse, esta tarde em Maputo, que um livro não tem uma validade apenas para um único período específico ou era, em termos de tempo de duração, porque ele poder servir a várias e diferentes gerações contextos, bastando para tal a sua melhor conservação, inclusive para consultas pós-profissionais ou mesmo durante a vida laboral.Diogo fez este pronunciamento durante a cerimónia havida esta tarde, de entrega de material bibliográfico ao Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional (INEFP), pelo Director Executivo da Comissão de Reforma do Ensino Técnico-Profissional (COREP), Edmundo Josefa, adquirido no âmbito do Programa de Reforma do Ensino Técnico-Profissional (PIREP), o qual será, de imediato, ser distribuído pelos seus diferentes centros de formação profissional espalhados pelo país.Trata-se de um lote de 950 livros de diferentes especialidades que o INEFP ministra na sua grelha formativa, os quais estão subdivididos em 450 títulos. Os mais destacados são os livros de electricidade, mecânica, hidráulica, refrigeração, construção civil e engenharia, automação, carpintaria, electrónica, soldadura, contabilidade, corte e costura, beleza e estética, agro-processamento, indústria hoteleira e turismo, entre outros.Falando aos presentes na cerimónia, sobretudo aos quadros, funcionários e formadores do Centro de Formação da Metalomecânica, localizado no bairro de Mavalane, dos Centros de Formação Profissional da Machava e de Malhazine, a ministra disse que, não obstante a era da evolução cibernética, mais concretamente com a evolução das tecnologias de informação e de comunicação (TIC), o livro continua a ser um companheiro inseparável do Homem, em qualquer contexto temporal e em qualquer circunstância de aprendizagem, porque ele é uma ferramenta sempre presente.Daí que a governante aproveitou para apelar aos utentes para que façam um uso criterioso e responsável, como forma de garantir que mais formandos e gerações também os utilizem para no futuro, sobretudo respeitando que os mesmos são um património colectivo e que em qualquer dia, independentemente de terminar o curso ou não pode vir ainda a precisá-los, porque uma consulta de conhecimento não tem passado e não expira no tempo.A bibliografia ora entregue enquadra-se no plano de reestruturação sectorial no concernente á formação profissional, que inclui os centros de formação profissional do INEFP, em todo o país, visando potenciar e conciliar a teoria e prática por parte dos formandos, para a melhor interpretação técnica no processo de ensino-aprendizagem vocacional e na vida profissional ou laboral.Várias acções conjuntas têm sido levadas a cabo pelo INEFP e perla COREP, no âmbito do PIREP, tendentes à melhoria do ensino e aprendizagem dos formandos ou candidatos a emprego e auto-emprego, com participações rata-se de um esforço multissectoriais de multiplicação de acções de formação profissional da mão-de-obra qualificada para alimentar o mercado, sobretudo na fase em que o país se encontra, com a entrada de diversos investimentos, desde os externos até aos nacionais, como consequência da descoberta de recursos naturais em diferentes regiões ou províncias.