País passa a contar com Observação do Mercado de Trabalho – a 1ª na história

 Foi inaugurada no dia 26 de Fevereiro, na cidade de Maputo, a sede da Direcção Nacional de Observação do Mercado de Trabalho (DNOMT), a primeira instituição do país que, pela primeira vez, irá se encarregar de todas as informações do mercado de trabalho.A cerimónia, que contou com membros do Governo, agentes económicos, sindicatos, investidores, parceiros de cooperação, pesquisadores e o público em geral, teve lugar no rés/chão do antigo edifício do ex-Ministério do Trabalho, na Av. 24 de Julho.Com esta nova instituição, permitirá que o país disponha de melhor conhecimento das potencialidades do emprego, com vista a melhorar a capacidade do Governo e dos parceiros na previsão, concepção e implementação de uma política de emprego baseada na análise de dados fiáveis sobre o emprego, a formação e a dinâmica sócio-económica. O outro objectivo visa fornecer elementos que permitam desenvolver e melhorar o emprego, através de uma melhor regulação do mercado do trabalho e uma melhor adequação emprego/formação para a criação de emprego no sector produtivo, auto-emprego e actividades geradoras de rendimento.A Observação do Mercado de Trabalho vem responder uma exigência do próprio mercado moçambicano, que não dispunha de serviços mais integrados nesse sentido, sobretudo por se apontar que este novo órgão irá revolucionar o mercado laboral, sobretudo no aspecto de informações sobre os níveis e a qualidade de empregabilidade no país, tendo em conta que estará munida de condições para estudos e pesquisas de natureza sócio-laboral e económica, com horizonte no mercado.Prevê-se que, de ora em diante, o país aumentará a sua capacidade de fazer recolha, estudo e apresentação regular de dados sobre o mercado, facto que irá dinamizar a componente de investimentos e a própria criação de mais empregos pois, qualquer investidor, agente económico ou empresarial terá a facilidade de encontrar a realidade actualizada de cada sector de actividades, desde as condições sócio-económicas até em termos de provimento de mão-de-obra para atender a cada tipo de necessidade.A actual e crescente movimentação de investidores nacionais e estrangeiros, resultado da descoberta de recursos naturais no nosso país, coloca o mercado do trabalho sob pressão, do ponto de vista de providência de dados e informação, quer em quantidade, quer em qualidade, que orientem para a viabilização dos seus projectos. Em algumas vezes, dada a escassez ou deficiente informação sistematizada, por exemplo em termos de recursos humanos formados ou especializados para certas áreas de actividade, a solução tem sido a mão-de-obra estrangeira, quando internamente existem soluções. Esta nova instituição estará à altura de atender essa preocupação, uma vez que coordenará todas as acções tendentes a produzir dados sobre o mercado de trabalho.