Falso inspector de trabalho cai nas mãos da Polícia na Cidade de Maputo

Uma equipa da Inspecção-Geral do Trabalho (IGT), Delegação da Cidade de Maputo, neutralizou, esta Terça-Feira, 14 de Maio 2019, na cidade de Maputo, um cidadão que, nos últimos dias, se fazia passar por um inspector do Trabalho, quando, na verdade, não tem nenhum vínculo com a Direcção do Trabalho, Emprego e Segurança Social da capital do país (DTESSCM) e muito menos com o Ministério do Trabalho, Emprego e Segurança Social (MITESS) pertenceu ao quadro da IGT.O facto deu-se na passada Terça-feira, , na empresa de venda de viaturas usadas importadas KB Motors, localizada na Av. Joaquim Chissano, em que o visado, usando documentação falsa, sobretudo actas de fiscalização, com datas referentes ao ano passado, tentou, mais uma vez, burlar a respectiva entidade patronal.Identificando-se por Sarmento Macome Júnior, um nome que ninguém ostenta na IGT na cidade de Maputo, o falso inspector do Trabalho foi posto fora de acção no local e entregue à Polícia, mais concretamente na 6ª Esquadra, não obstante ter tentado escapulir-se da verdadeira brigada de inspectores que se encontrava em serviço no local, bem como da segurança da empresa.Intitulando-se agente encarregue de fiscalizar a legislação laboral, o indivíduo em causa, que também já tinha sido detido anteriormente pela polícia, quando foi flagrado a fazer-se passar por um inspector da INAE, forjava documentos que faziam parecer originais e cobrava às empresas sob o compromisso de não lhes passar a multa, derivada de alegadas infracções detectadas. O mesmo está agora a ser matéria de investigação pelas autoridades policiais, com vista a apurar-se os restantes elementos da rede, uma vez haver indícios de não estar a actuar sozinho.A Inspecção-Geral do Trabalho, que encoraja à sociedade a denunciar qualquer suspeita ou acto ilícito dos seus funcionários, bem como o aparecimento de gente duvidosa fazendo-se passar por inspectores, tem vindo a multiplicar apelos às empresas estabelecidas no país no sentido de tomarem precaução face à existência de alguns cidadãos estranhos que se intitulam de inspectores de trabalho, cobrando dinheiro ilicitamente, sob alegação de prestação de serviços e multas.Todos os inspectores do trabalho têm os seus cartões identificativos e números individuais com que os donos ou dirigentes de empresas podem solicitá-los antes de qualquer acção inspectiva e confrontá-los com o serviço da Administração do Trabalho mais próximo ou sob a sua área de jurisdição, casos de Direcções Provinciais ou Distritais do Trabalho ou, ainda, nos serviços centrais. A burla em referência tem acontecido em muitas empresas espalhadas pelas Províncias do país, cujo trabalho de neutralização está em curso.O “modus-operandi” desse grupo de malfeitores tem coincidindo em muitas ocasiões, em que protagonizam acções inspectivas a diversas empresas da praça, cobrando valores pelo alegando trabalho realizado, incluindo a invenção de multas inventadas e gratificações, sendo que, normalmente, a colecta ou cobrança não obedece as vias usadas no sector público, ao optarem por recebimento de quantias monetárias físicas.Para o caso vertente de Terça-feira passada, quando a brigada de inspectores do trabalho da Direccão da Cidade chegou ao local o gerente da empresa KB Motors  ficou espantado, alegando que já tinha recebido uma fiscalização no dia anterior. Verificado o falso relatório preliminar, a brigada concluiu que a respectiva acta de fiscalização era forjada e com do ano passado.Para o azar do falso inspector, Sarmento Macome Júnior, a brigada ficou a trabalhar e, este fez-se presente no escritório da empresa, tendo o gerente o reconhecido imediatamente. Apercebendo-se do cenário, tento escapar-se, alegando que estava ia chamar os seus colegas do Município, com quem trabalha, mas foi retido pela segurança do parque e levado para a 6ª Esquadra da Cidade de Maputo e aberto o respectivo processo (n°373/6ªESQ/2019).